Notícias

  • 19/01/2015

    Belaz conclui os testes com o maior caminhão do mundo, o Belaz 75710

    A estatal bielorussa Belaz, concluiu em dezembro 2014, a principal fase de testes do Belaz 75710, o maior caminhão para transporte de minério no mundo. De acordo com comunicado da empresa, o equipamento em operação na mina de carvão Chernigovets, na Rússia, movimentou de agosto a novembro 1 milhão de toneladas de estéril.

    O caminhão foi apresentado em 2013, mas o primeiro modelo entrou em operação começou a funcionar em agosto nessa mina de carvão russa. O veículo fabricado pela Belaz é capaz de transportar 500 toneladas de granéis e possui 20 metros de comprimento, 10 de largura e 8 de altura.

    No momento, a Belaz tem outros dois 75710 em construção, mas a empresa não informa quem os encomendou. Cada unidade custa cerca de US$ 6 milhões.

     

    Com capacidade de tração de 450 toneladas, o Belaz pode transportar 87 toneladas a mais do que o detentor do recorde atual, um veículo da Liebherr. Para ajudá-lo a transportar mais do que os concorrentes, seus criadores incorporaram uma série de novas características como o número de rodas. Ele possui oito pares de rodas, normalmente um veículo desse tipo possui seis. Cada pneu pode suportar até 102 toneladas.

     

    O caminhão tem um sistema de transmissão diesel-elétrico com dois motores a diesel de 16 cilindros que geram energia para quatro motores elétricos.

    No entanto, o mais importante para um veículo que está constantemente parando, ligando e arrancando com cargas pesadas é o torque que ele tem. O Belaz 75710 tem o torque máximo 24 vezes maior do que o do motor de um carro de Fórmula 1.

     

    O consumo de combustível é de 1.300 litros por 100 quilômetros, no entanto, um veículo desse tipo é conhecido na indústria de mineração, por funcionar com apenas um de seus motores quando ele não está carregado, economizando combustível. Engenheiros da Siemens, que desenvolveram o sistema de tração, optaram pelo all-wheel drive (AWD), que proporciona melhor tração distribuída para ambos os eixos.

     

    Andrej Vashkevich, piloto de testes do Belaz, diz que o veículo é fácil de conduzir, mas que precisa de um pouco de tempo para se acostumar com as dimensões. “A tração nas quatro rodas faz com que seja mais fácil de conduzir em condições difíceis, como em estradas escorregadias e a frenagem é mais eficiente”.

     

    Para permitir que os motoristas cheguem onde querem rapidamente, ambos os eixos possuem um raio de giro de 19,8 metros. Com 8,2 metros de altura, o caminhão tem uma velocidade máxima de 64 km/h e ainda pode acelerar a 40 km/h em subidas com até 10% de inclinação. Ele ainda pode lidar com trechos curtos com até 18% de inclinação.

    Engenheiros da Siemens são capazes de monitorar o desempenho do caminhão, diagnosticar problemas e fornecer ao Belaz 75710 um novo software sem sair de seus escritórios em Alpharetta, no estado americano da Geórgia, graças à sua conectividade remota.

     

    Joy Mazumdar, gerente de negócios da Siemens, disse que a conectividade remota é uma característica essencial. “Para os engenheiros saírem dos EUA e irem até a Rússia, de repente, se há um problema não é viável.